Eleições 2022: saiba como denunciar fake news no TSE e nas redes sociais

By | September 22, 2022

Notícias falsas: saiba como denunciá-las
Notícias falsas: saiba como denunciá-las. Crédito: Pixabay e Arte A Gazeta

Recebeu uma mensagem do WhatsApp e suspeitou que havia algo estranho naquela informação? Você já viu um post de mídia social e acha que não é real? Você já viu uma mensagem que é patentemente falsa? Esses conteúdos são as famosas fake news, que podem ser combatidas com a sua ajuda.

O primeiro passo, quando você desconfia da veracidade de alguma informação, é não passá-la adiante. Tão importante quanto quebrar a corrente das fake news é denunciá-las, principalmente neste período eleitoral, quando a desinformação é usada para prejudicar candidatos em benefício de outrem, desequilibrando a polêmica.

É possível denunciar informações falsas ou enganosas diretamente à Justiça Eleitoral, mas também à própria rede social. Isso é importante, pois cada plataforma possui um método de classificação para identificar e remover notícias falsas, com algumas ocultando ou excluindo esse conteúdo.

Com isso em mente, Passando para o Limpo, um Gazeta, compilou um guia passo a passo sobre como denunciar informações falsas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e nas redes sociais. Dê uma olhada abaixo:

DENÚNCIA À JUSTIÇA ELEITORAL

Nas eleições de 2022, o TSE lançou o sistema de alerta de desinformação contra as eleições. Por meio da ferramenta é possível comunicar à Justiça Eleitoral o recebimento de notícias falsas, descontextualizadas ou manipuladas sobre o processo eleitoral brasileiro.

  • Desinformação;
  • Discurso violento ou de ódio
  • Tiro em massa (WhatsApp);
  • Grave perturbação do ambiente democrático;
  • Evidência de comportamento inautêntico;
  • Vazamento de dados/incidente cibernético;
  • Violência política de gênero

Após ter informado a tipologia, basta descrever o ocorrido, indicar a plataforma onde a mensagem circulou e, se houver, denunciar o link da postagem com conteúdo falso ou ofensivo.

É possível denunciar informações incorretas sobre a participação nas eleições gerais de 2022, como distorções de horários, locais e documentos exigidos durante a votação.

A ferramenta também receberá denúncias de ameaças a assembleias de voto, cartórios ou prédios da justiça eleitoral e informações não verificadas sobre supostas fraudes eleitorais, adulterações e apuração de votos ou certificação de resultados eleitorais.

Também será possível denunciar o uso de contas falsas que utilizam a imagem da Justiça Eleitoral para compartilhar material enganoso referente às eleições. Mensagens com discurso de ódio ou qualquer tipo de incitação à violência visando atentar contra a integridade eleitoral e funcionários públicos envolvidos no processo podem e devem ser denunciadas.

De acordo com o TSE, dependendo da gravidade do caso, as denúncias recebidas também podem ser encaminhadas ao Ministério Público Eleitoral (MPE) e demais autoridades para a adoção das medidas legislativas cabíveis.

Como o objetivo da ferramenta é coletar informações sobre mentiras relacionadas às eleições e ao sistema eleitoral que podem prejudicar a democracia, comportamentos inadequados de candidatos não devem ser reportados ao sistema de alerta de desinformação.

Para denunciar violações eleitorais relacionadas a propaganda eleitoral ou mensagens enganosas contra candidaturas, o jeito é denunciar no aplicativo Pardal, que agora também está disponível para download no Google Play e na Apple Store.

COMO DENUNCIAR NAS REDES SOCIAIS

COMO FUNCIONA A LIMPEZA

Passando ao Limpo, confira os conteúdos enganosos viralizados na internet referentes às Eleições Estaduais de 2022 até a data do segundo turno, marcado para 30 de outubro.

A iniciativa, em parceria com o Google, já monitora publicações com grande compartilhamento e envolvimento nas principais redes sociais. Mas os eleitores também têm um papel importante e podem enviar conteúdos duvidosos, aqueles que deixam uma pulga atrás da orelha e são relacionados ao Espírito Santo.

Após os trabalhos de investigação, a conclusão da apuração será publicada no site e nas redes sociais de A Gazeta.

O conteúdo terá um dos seguintes selos:

  • Errôneo: Conteúdo retirado do contexto original e utilizado em outro para alterar seu significado; que utilize dados imprecisos ou que leve a uma interpretação diferente da intenção do autor; conteúdo confuso, com ou sem a intenção deliberada de causar danos.
  • Falso: Conteúdo inventado ou modificado para alterar seu significado original e lançado deliberadamente para espalhar uma mentira.
  • Sátira: Memes, paródias e imitações publicadas com o intuito de fazer humor. Esses conteúdos serão verificados quando se perceber que há pessoas que os tomam de verdade.
  • Tentou: Fato real; evento confirmado; posição comprovada; ou conteúdo original publicado sem modificação.

Este vídeo pode lhe interessar


Notou informações incorretas no conteúdo de A Gazeta? Ajude-nos a resolvê-lo o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente para a redação de A Gazeta.